Ho’oponopono: prática havaiana de cura e libertação

Ho'oponopono

Prática havaiana de cura e libertação

 

Há algum tempo planejo escrever sobre o Ho’oponopono. No entanto, queria experimentar mais um pouco esta prática havaiana de cura e libertação antes de falar sobre ela. E, após alguns meses praticando todos os dias, posso garantir que é eficiente e, cedo ou tarde, percebemos que funciona.

Mas, o que é o Ho’oponopono?

O Ho’ponopono é a prática de recitar – em voz alta ou mentalmente – quatro frases:
1. Sinto muito;
2. Me perdoe;
3. Te amo;
4. Sou grato(a).

O Ho’oponopono é uma prática havaiana em que “ho’o” significa “causa” e “ponopono” quer dizer “perfeição”. O termo “ho’oponopono” pode ser traduzido como: “corrigir um erro” ou “tornar certo”.

A prática do Ho’oponopono ficou conhecida após uma experiência vivenciada pelo psicólogo Ihaleakala Hew Len. Por mais incrível que possa parecer, Hew Len conseguiu curar um pavilhão inteiro de criminosos de alta periculosidade que estavam internados no Hospital Estadual do Havaí. E, ele alcançou este feito sem sequer conversar ou interagir com os internos.

Hew Len foi aluno de Morrnah Nalamaku Simeona, mestre em Ho’oponopono – uma antiga técnica havaiana de cura -, e foi convidado para trabalhar neste hospital. Aceitou o convite, mas avisou que não manteria contato físico com os internos, pois eram muito agressivos.

Para cada paciente internado, ele abria a ficha de internação e buscava em si mesmo como ele criava a doença naquela pessoa. Então, recitava o Ho’oponopono e, à medida que ia se curando, os internos também apresentavam melhoras excepcionais.

Em quatro anos, o hospital fechou, pois não havia mais pacientes. Estavam todos curados. Em poucos meses de tratamento, os pacientes começaram a ser liberados para tomar banho de sol, outros fortemente medicados começaram a reduzir em muito a medicação, e aqueles que jamais teriam possibilidade de serem liberados, tiveram alta.

Pode-se dizer que a cada repetição das frases do Ho’ponopono, Hew Len mudava o seu próprio estado de espírito. E, consequentemente, a atividade mental dos detentos também se alterava. Os resultados foram tão surpreendentes que, de forma resumida, pode-se afirmar que Len conseguiu curar os presos conforme ia curando a si mesmo.

O Ho’oponopono relaciona-se a uma concepção energética e a uma abordagem metafísica do Universo. A ideia da prática é apagar elementos negativos e situações problemáticas em nossas vidas.

Temos a tendência de achar que tudo o que acontece conosco vem de fora e, geralmente, buscamos nos outros a causa para tentar resolvê-los. Mas, segundo esta prática havaiana, é em nós que mesmos que resolvemos os problemas.

A ideia do Ho’oponopono é purificar a parte que temos em comum com os outros. Em algumas circunstâncias, é mais fácil e evidente a nossa responsabilidade em determinada questão. Mas, em outros casos, pode ser mais difícil ou, até mesmo, impossível percebermos alguma identificação com o fato e a nossa cota de participação.

Então, se levarmos em conta que refletimos o mundo à nossa volta, a prática ganha sentido. O propósito não é sentirmos culpa por alguma situação, mas nos responsabilizarmos pelas coisas que nos acontecem.

Segundo o Dr, Hew Len, é como se fizéssemos parte de uma grande sinfonia. “Cada um de nós toca um instrumento. Eu também tenho um. Você também tem o seu. Nenhum é igual ao outro. Para que o concerto seja tocado e todos os apreciem, eles precisam tocar os instrumentos deles e não de outra pessoa. Nós nos metemos em apuros quando não pegamos o nosso instrumento ou achamos que o de outra pessoa é melhor. Isso é a memória”, afirma Hew Len.

As memórias vêm do inconsciente e manifestam-se sob a forma de situações repetitivas, tanto fisicamente, como materialmente e, também, nos relacionamentos.

O nosso consciente vê apenas a parte materializada da circunstância contra a qual tenta reagir. Nosso consciente capta apenas o que está na superfície. O Ho’oponopono permite entrar em conexão com a parte divina em nós – e, aqui você pode aplicar o termo que lhe convier, como Si-Mesmo, Essência, Eu Superior, entre outros.

E, neste espaço interno, alcançamos as memórias repetidas que se “dissolvem”. A prática do Ho’oponopono permite a purificação, liberação e anulação dessas memórias – que podem ser chamadas de programas ou de dados, como um programa de computador.

Podemos entender a prática do Ho’oponopono como uma ferramenta de limpeza e purificação dessas memórias que bloqueiam o fluxo de energia. Com a limpeza, a energia que estava bloqueada passa a circular e isto traz mais harmonia para a nossa vida.

Podemos dizer que estas memórias, ou programas, são como arquétipos que circulam no mundo e aos quais estamos conectados. E, quando percebemos que alguém tem esses programas é porque nós também os temos. Então, nada mais lógico do que limpar em nós mesmos essas memórias. E, assim, mudarmos a situação.

Como o lado de fora reflete o que existe internamente, ao recitarmos o Ho’oponopono para determinada situação, sensação ou sentimento, estamos limpando o programa em comum entre nós e a situação ou pessoa. E, ao praticar é necessário colocar apenas a intenção de limpar e purificar. Nada além disso.

É importante frisar que não se trata de culpar alguém ou se sentir culpado. A ideia do Ho’oponopono é nos responsabilizarmos pelas coisas que acontecem conosco. Se algo está causando desconforto ou caos em nossas vidas, esse algo não está fora. E, sim dentro de nós mesmos.

O trabalho com o Ho’oponopono considera o mundo como um vasto holograma. Portanto, seguindo o princípio holográfico, tudo está em tudo. E, consequentemente, tudo o que está no outro está em nós. Quando algo nos desestabiliza, o Ho’oponopono nos lembra que esta manifestação está apenas sugerindo que algo em nós mesmos está se rebelando e precisamos olhar mais seriamente para esta circunstância a fim de purificar e limpar.

Consequentemente, a ideia do Ho’oponopono é aceitar tais manifestações, pois são um meio de nos purificarmos. Cenários conflituosos são perfeitos para trazer à tona partes nossas que estão esquecidas, que estão na sombra. Daí, o conceito de responsabilidade que o Ho’oponopono traz a quem recita as quatro frases: sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato(a).

Praticando a técnica de cura e libertação

 

Esta prática pode ser aplicada a um tema específico ou as frases podem ser repetidas como um mantra – seguidamente, sem ter uma questão em especial. Se quiser acrescentar uma questão em particular, é só citar o problema/situação antes das quatro frases mencionadas acima. E, você também pode aplicar o Ho’oponopono para si mesmo ou para outras pessoas.

A prática fica assim: o seu nome e em seguida as quatro frases como, por exemplo: “Maria. Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grata.” Neste caso, o nome pode ser seu – então, você recita pensando em você mesmo e a situação que você quer limpar. Pode ser feita na intenção de limpar ou purificar outra pessoa e, então, você mentaliza esta pessoa em questão. E, também, para situações conflituosas entre você e a Maria. E, em situações assim, você faz pensando em como isso o afeta.

No caso de situações específicas, você pode fazer dessa maneira: coloque a situação específica e em seguida as frases do Ho’oponopono. Um exemplo: vizinhos que perturbam sua paz: “Vizinhos. Sinto muito, me perdoem, te amo, sou grata – pode acrescentar o nome dos vizinhos, se souber.” Lembrando mais uma vez que seu pensamento deve abordar em como os vizinhos te afetam. O foco é sempre em você e não no outro.

Uma discussão com alguém no trabalho: pense na situação específica e recite as frases como, por exemplo: uma discussão sobre liberação de verba para a reforma de um departamento. “Situação X, sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato(a).”

No caso de sentimentos, pense no que está sentindo e em seguida recite a oração. Por exemplo: tristeza – sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato(a). Raiva – sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato(a). E, assim por diante. A prática do Ho’oponopono é infinita e pode ser aplicada a todas as situações que você quiser limpar e transmutar a energia.

Breve explicação do mantra

Entender o que significa cada afirmação da prática não é essencial, mas vale a pena conferir uma breve explicação sobre as frases do Ho’oponopono. Vamos lá:

Sinto muito pelo causou essa perturbação.

Me perdoe por isso, eu não sabia.
Te amo pelo que é.
Sou grato(a) por ter me revelado esse meu aspecto.

Ou, ainda:
Sinto muito por tê-lo julgado mal.
Me perdoe por não tê-lo compreendido.
Te amo pelo que é.
Sou grato(a) por ter revelado isso a mim.

O mantra do Ho’oponopono deriva de uma antiga oração feita pelos kahunas – sacerdotes xamânicos havaianos. Veja abaixo a versão resumida da oração:

Divino criador, pai, mãe, filho – todos em um.

Se eu, minha família, os meus parentes e antepassados ofendemos Sua família, parentes e antepassados em pensamentos, fatos ou ações, desde o início de nossa criação até o presente, nós pedimos o Seu perdão. Deixe que isto se limpe, purifique, libere e corte todas as memórias, bloqueios, energias e vibrações negativas. Transmute essas energias indesejáveis em pura Luz. E assim é.

Para limpar o meu subconsciente de toda a carga emocional armazenada nele, digo uma e outra vez durante o meu dia as palavras-chave do Ho’oponopono.

SINTO MUITO, ME PERDOE, EU TE AMO, SOU GRATO.

Para quem ainda está começando a prática do Ho’oponopono, pode ser interessante acompanhar uma meditação guiada da técnica neste link.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.